Ontologias

Maio 19, 2008

O Planeta Azul …

Filed under: Leituras & Reflexões,Perspectivas — enfermped @ 10:15 am

Golfo do México visto do Espaço

“É NESTA TERRA, O PLANETA AZUL, envolta nos farrapos brancos das nuvens, que reside tudo o que temos: o ar que respiramos, a água que bebemos, o chão que pisamos e nos dá o pão. É só com isto que contamos para viver. É, pois, fundamental, conhecer melhor esta nossa casa que nos transporta através da imensidão do espaço, à velocidade de 30km por segundo.

O nosso Planeta, velho de quase quatro mil e seiscentos milhões de anos, lar da biodiversidade, incluindo a humanidade inteira, não foi sempre como hoje o conhecemos. Esta nossa Terra é o resultado de uma longa e complexa evolução, e o homem é o fruto mais jovem dessa mesma evolução, numa cadeia imensa de inter-relações em que participaram as rochas, a água, o ar e todos os seres vivos. Assim, interessa ao cidadão conhecê-la melhor, a fim de bem avaliar os problemas que se lhe põem no seu relacionamento com o ambiente natural.

O grau de complexidade a que chegámos foi crescente desde o início do tempo, isto é, nos treze a quinze mil milhões de anos de existência do Universo que julgamos conhecer. Das partículas primordiais passou-se aos átomos e, só depois, às moléculas, cada vez mais complexas.

A partir destas, a evolução caminhou no sentido das células mais primitivas, que fizeram a sua aparição na Terra há mais de três mil e oitocentos milhões de anos, através de uma cadeia abiótica de estádios progressivamente mais elaborados, onde o ensaio e o erro tiveram a seu favor 75% ou mais dessa enormidade de tempo.

Dos seres unicelulares mais rudimentares aos primeiros metazoários, surgidos há seiscentos a setecentos milhões de anos, foi consumido mais cerca de 20% desse mesmo tempo. Restou, pois, pouco mais de 5% para que, numa nova cadeia de complexidade crescente e a ritmo cada vez mais acelerado, se caminhasse dos invertebrados primitivos ao Homem.

Do nosso aparecimento no Planeta Azul, onde ocupamos o topo da escala biológica, aos dias de hoje, foi um passo de apenas 0,000 1% do tempo universal da criação. Face à eternidade que falta cumprir a este nosso planeta, estimada em mais alguns milhares de milhões de anos, a presença do Homem na Natureza é ainda extraordinariamente curta, insignificante e, portanto, passível de erro e de extinção, como aconteceu com inúmeras espécies.

A Terra, no quadro em que se nos apresenta hoje, é o resultado de um sem número de agressões sofridas ao longo da sua velhíssima história. Contudo, ela é um sistema dinâmico que se auto-regula e, como tal, tem sabido encontrar resposta a todas essas vicissitudes e vai, sem dúvida, continuar a fazê-lo.

O dano que lhe podemos causar, no mau uso que dela fizermos, é mudar-lhe as condições que nos são favoráveis e que bem conhecemos, dando origem a outras que nos poderão ser altamente adversas. Assim, ao maltratá-la, o Homem está a atentar também contra si próprio, contra a humanidade.

Porém, o planeta irá prosseguir, mesmo sem a nossa inteligência, e acabará por encontrar novos caminhos, podendo voltar a criar um outro ser inteligente ou, até, mais inteligente do que esta versão moderna e egoísta de Homo sapiens, que somos nós.

Para tal só necessita de tempo, de muito tempo, e isso não lhe irá faltar”.

A. M. Galopim de Carvalho
«Público» de 23 Abr 08
Um blog interessante onde cientistas, escritores, jornalistas e autores dão largas à sua imaginação… UM BLOG que não devemos deixar de visitar continuamente: Sorumbático
RS
Anúncios

5 comentários »

  1. Obrigado(s) pelas referências – ao blogue e à crónica.

    Hoje, 2ª-feira, o Prof. Galopim de Carvalho voltou ao Sorumbático com uma 3ª crónica.

    (Clicar nas letras GC, em, rodapé, para aceder às anteriores, agrupadas).

    Comentar por C. Medina Ribeiro — Maio 19, 2008 @ 11:07 am | Responder

  2. Prof. Carlos Medina, obrigado nós, pela excelente crónica do Prof. Galopim de Carvalho (que tive a honra de conhecer quando cursei Biologia na FC)e pelo excelente blog.
    O Blog já está anexado ao Ontologias, espero que não se importe, RS.

    Comentar por enfermped — Maio 19, 2008 @ 11:34 am | Responder

  3. Só tenho de agradecer – inclusive o título de Professor – tenho o curso de Formador, mas sou só licenciado em engenharia/IST)!

    Entretanto, o – esse sim – Professor Galopim de Carvalho confirma que vai manter o ritmo de uma crónica semanal, a afixar às segundas-feiras.
    Dada a genica que ele tem, não duvido nada!

    Abraço

    CMR

    Comentar por C. Medina Ribeiro — Maio 19, 2008 @ 8:23 pm | Responder

  4. Então assim sendo, temos um ponto em comum somos os dois formadores…em relação ao Prof.º Galopin de Carvalho é uma pessoa extraordinária e concordo a 100% consigo tem genica para “dar e vender”.
    O que gostei mais na entrevista que deu no Triplo V, foi a sua referència relativamente à globalização da comunicação “Atrai-me, sobretudo, a globalização da comunicação entre os cidadãos do mundo, o que pode constituir uma resposta à outra globalização, a da economia, a dos cifrões”, penso que sim….
    Abraço = RS.

    Comentar por enfermped — Maio 22, 2008 @ 12:07 pm | Responder

  5. O imparável prof. Galopim de Carvalho publicou hoje (também no Sorumbático)uma crónica sobre desporto (!), sem prejuízo da que sairá na segunda-feira que vem, que é o dia habitual.

    Comentar por C. Medina Ribeiro — Maio 22, 2008 @ 9:02 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: